terça-feira, 24 de novembro de 2009

Reconstrução do torno de Leonardo da Vinci

Há quanto tempo o homem tem vindo a transformar madeira? Quase certamente há mais tempo do que as provas que temos! Como seria o primeiro torno? Não temos certeza, mas podemos chegar a uma conclusão razoável tendo em conta os materiais e tecnologias disponíveis. Há apenas algumas ilustrações recentes que nos dão uma visão mais geral do uso continuado da tecnologia simples em locais do mundo subdesenvolvido.


Uma coisa é certa, todos os tornos recentes teriam sido uma variedade de reciprocidade, ou seja, o material a ser transformado teria sido apoiada entre dois centros e girava para trás e para a frente de alguma forma. Muitas pessoas estarão familiarizadas com este conceito, através de um torno de pólo, como é usada ainda hoje por alguns tradicionais fabricantes de cadeiras, amador ou profissional, e pode ser demonstrado muitas vezes em vários eventos de artesanato.

A mais antiga ilustração de um torno é a de uma conhecida parede egípcia, esculpido em pedra no túmulo do Petosiris, datado de cerca de 300 aC. Como com muitos tornos do Leste e Médio Oriente deste tipo, foi operado ao nível do solo, neste caso por dois homens. Um homem fornecia a alimentação, puxando para trás e para frente com uma corda ou tira de couro enrolado em torno da peça de trabalho, enquanto o torneador está na frente com o seu cinzel sobre o apoio da ferramenta. Devido à convenção padrão artística egípcia, de cada elemento do torno é retratado a forma mais compreensível para o observador. Isso resulta numa representação enganadora, já que parece mostrar um torno vertical, quando na verdade o que se pretende é um torno mecânico horizontal de correias.

De um período semelhante, os habitantes da Idade do Ferro das aldeias Glastonbury Lake foram destacadas por ser muito competente na transformação de madeira. Escavações mostram que esses Celtas do Oeste do País Inglês tenham produzido alguns artefactos muito importantes, como raios e cubos de rodas. Marretas, tigelas, cabos de ferramentas, bem como itens menores, tampas de potes. Estes são todos os itens recuperados pelo arqueólogo amador Arthur Bullieid e Harold St George Gray há mais de um século atrás. Nenhuma descoberta do torno foi divulgada e assim só podemos fazer suposições. O torno arqueado poderia ter sido usado para fazer os pequenos artefactos, mas tornear cubos de rodas exigiria mais energia que estaria provavelmente disponível a partir de um torno de arco. É quase certo que cada torno de pólo ou cinta foram usados para produzir os itens maiores.

É um desenho, ou melhor um simples esboço (imagem acima) executado pelo génio Italiano Leonardo Da Vinci C.1480, que nos oferece ao primeiro vislumbre que de uma roda pedal de parece. Os elementos principais necessários para a rotação contínua com a propulsão do pé são claramente demonstrados pela primeira vez, o volante, pedal e manivela. Foi a manivela, em conjunto com o volante, que proporcionou um grande avanço tecnológico (o principal é ainda usado em nossos modernos motores de combustão interna). A manivela, ligada a um pedal, fornece a rotação constante, enquanto a velocidade adquirida do grande volante garanta que a manivela seja carregada sobre o “ponto morto”. O desenho também mostra um cabeçote ajustável com uma rosca dobrada no punho.

Muitas das invenções de Leonardo da Vinci tem sido posta à prova nos últimos tempos, aliás, vários deles, como a sua asa-delta foram objecto de documentários televisivos. Porque parecia que ninguém antes tinha tentado recriar o notável torno, para ver se era uma máquina viável e prática, a respeitada empresa de tornos decidiu que tal projecto uma parte da sua montagem seria na quarta celebração do centenário.

Stuart King era encarregado de recriar o torno a tempo para a exposição de Junho, “Magia na Madeira”, realizado no Pewterers Hall, Londres. Embora o conceito seja muito simples, com o original a ser uma colaboração entre torneiro e ferreiro, o resultado final é uma máquina surpreendentemente poderosa. A energia cinética produzida através do pedal e do volante é surpreendente. Este é apenas um pequeno passo na histórica da ciência, mas provámos mais uma vez que Leonardo chegou lá primeiro e, sim, funciona!

Stuart King, carpinteiro do Reino Unido, montou um torno segundo desenhos de Leonardo da Vinci. Sem motores elétricos, o mecanismo é muito simples e depende de um pedal (similar ao de máquinas de costura) e uma roda gigante para fornecer o momento de inércia.



Como se vê nas fotos da construção, esta foi feita utilizando ferramentas convencionais (nada movido a energia eléctrica).

Esta publicação foi traduzida na integra por mim do website abaixo mensionado, pelo que poderá ocorrer falhas de tradução na sintaxe da frase.

http://www.stuartking.co.uk/index.php/how-i-built-leonardo-da-vincis-lathe/

1 Opiniões ... Deixa ficar a tua...:

claudio disse...

muito criativo, sou torneiro nunca pensei que tinha um torno desse jeito nota 10

Enviar um comentário

Deixa a tua sugestão, a tua opinião ou critica...